quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Tablets e smartphone quebrados, vale a pena consertar?

Tablets e smartphones quebrados, vale a pena consertar?

Mesmo com custo elevado, a troca da tela, dano mais comum em smartphones e tablets, compensa mais do que a compra de um aparelho novo


Tablets e smartphones quebrados, vale a pena consertar? Fernando Gomes/Agencia RBS
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS
Junto com a praticidade e a leveza na operação, a tecnologia touch screen, usada nos tablets e em boa parte dos modelos de smartphones, trouxe um inconveniente: a maior fragilidade dos aparelhos – sem os teclados tradicionais, a tela torna-se o único anteparo para eventuais quedas ou batidas na parede. Não por acaso, oito em cada 10 aparelhos são levados à assistência técnica com telas quebradas ou trincadas.
– Sem dúvida, o maior problema é a tela quebrada, tanto em tablets quanto em
smartphones – diz André Irigoyen, da iHelpU, especializada no conserto de iPhones e iPads.
Após estudar Administração nos Estados Unidos, Irigoyen retornou ao Brasil no começo deste ano, com a ideia de explorar uma brecha no mercado. Como a Apple não fornece assistência a danos causados pelo usuário, como a quebra da tela sensível ao toque, sem vislumbrar outra solução, proprietários de tablets e smartphones da marca acabam obrigados a adquirir aparelhos novos.
Com valores entre R$ 120 (iPhone 3) e
R$ 449 (novo iPad), Irigoyen já realizou, desde fevereiro, em torno de mil consertos.
– A troca da tela vale a pena. Um iPhone 4 usado, por exemplo, custa R$ 1 mil. O conserto sai por R$ 280. Ou seja, se não quiser ficar com o aparelho, o dono pode vendê-lo por R$ 1 mil e ainda recupera R$ 720 – diz.
Água é grande inimiga da placa-mãe
A médica Renata Souza viu o seu iPhone 4S cair várias vezes e seguir funcionando. Até que, um dia, a tela acabou danificada:
– Quando ele cai no cimento, não acontece nada. Só que, agora, caiu em um piso de porcelanato. Aí, não teve jeito – lamentou.
Além dos danos à tela, os problemas mais comuns são falhas de software e quedas na água. De acordo com técnicos, quase todos os defeitos podem ser corrigidos e, do ponto de vista financeiro, o conserto geralmente é mais interessante do que a compra de outro aparelho. O único caso em que não há solução é quando a placa-mãe é avariada. Geralmente, esse tipo de problema acontece quando o aparelho é exposto à água.
– O pessoal demora para trazer o aparelho, e a bateria fica oxidando. Usar o secador de cabelo acelera a oxidação. E, se oxidar, a placa-mãe está condenada – explica Rogério Rocha, da RR Oficina de Computadores.
E se cair na água? Calma
O que fazer para evitar prejuízos irreversíveis no equipamento:
Se o aparelho não se desligar automaticamente ao cair, na água, desligue-o. Com ele desligado, não há como ocorrer um curto-circuito.
Não utilize nenhuma fonte de calor, como raios solares ou secador de cabelo, para tentar eliminar a umidade do equipamento.
Uma solução caseira – mas temporária – é mergulhar o aparelho em um recipiente com arroz cru. O arroz absorve a umidade. Mesmo assim, não impede a corrosão dos contatos.
Mesmo que o proprietário consiga retirar a umidade do aparelho, o ideal é levá-lo a um técnico, para eliminar riscos de novos problemas.

Seguidores